terça-feira, 25 de novembro de 2008

EDUCAÇÃO OU VIOLÊNCIA
























Foto desviada de lusitaniavox.blogspot.com

Numa sociedade transpirando violência por todos os poros, onde reina a impunidade, onde, por vezes, premiamos prevaricadores e criminosos, onde impera o salve-se quem puder, uma criança cujo comportamento se rege pela mesma violência, é chamada a atenção, verbalmente, por alguém que não tem a seu cargo a sua educação mas que se sente na obrigação, como adulto, de a educar. Ressalve-se que esta falta de educação colide com a educação e o bem estar das suas próprias crianças. Em resposta imediata a essa chamada de atenção verbal, o pivete de cinco anos espeta uma bofetada no adulto que a adverte. Questiono-me sobre qual seria a atitude imediata e passível de ser considerada acertada a tomar pelo adulto visado? Já agora dava-me jeito a vossa opinião.

8 comentários:

Mofina Mendes disse...

Tou quase a birra daquelas! Aviso: uma palmada, por mais leve que seja, vai passar a ser crime punível com 3 a 5 anos de prisão. Sabiam?!?!

Mofina Mendes disse...

Gostava só de saber qual o castigo para os pais que se estão a marimbar com os disparates dos pequenos, que não se importam de os ver transformados em vândalos...

Blimunda disse...

Pois...eu também acho que a resposta à bofetada que a criança deu aquele adulto era ser a mesma bofetada devolvida aos pais. Mas, eles não estavam presentes durante o acto, daí mantem-se a minha questão.

mac disse...

Eu atirava-me para o chão e fazia uma birra descomunal.

alegria disse...

Uma palmada no rabo e cinco dias sem jogar consola, por acaso este genero de traquinices já me aconteceram, não sei se é má educação ou o á vontade e a confiança que a criança tem com os pais, por vezes são formas de se afirmarem sem consciencia do que será a tal atitude.
Mas o que realmente o assunto merece tal como a criança é dialogo (educação).

Blimunda disse...

Mac, como é que é possível o tal adulto não se ter lembrado dessa adequadíisima resposta?!!!

Alegria, rabo todas as crianças têm mas olha que nem todas têm consola. E agora, como aplicar a segunda parte do castigo? Estou a brincar (só para ocaso de achares que não). Acho que não atentaste bem na "coisa". Repara que a criança era de outro adulto que não o esbofeteado. Daí que o diálogo me pareça um pouco contra-producente, como se comprova pelo resultado que dessa tentativa adveio.

Blimunda disse...

Leia-se adequadíssima

alegria disse...

Entao outra palmada e uma hora virada para a parede sem falar com ninguem, isso independente de ser com os pais ou outras pessoas.
Jamais eu permitiria que um dos meus filhos tivesse semelhante acto para com terceiros...
O castigo seria bem pior...