quarta-feira, 12 de agosto de 2009

SILÊNCIO

Nenhuma ideia é imune à sua comunicação. Assim, abstenho-me da sua expressão neste e em qualquer outro lugar, nesta e em qualquer outra hora para que nenhum inexacto entendimento mine a sua verdade! Respiremos silêncio!

7 comentários:

Mofina disse...

Vais cantar o fado?

Blimunda disse...

Não! Dói-me é a cabeça cumá porra!

saphou disse...

Já somos duas. E quando o silêncio oprime, pesado de fantasmas?

Mofina disse...

Vou pedir às minhas ovelhas para não fazerem mééééé.

Blimunda disse...

Aí, Saphou, não teremos alternativa senão sair à rua e imiscuirmo-nos com toda a maralha que nos for possível encontrar. É que os fantasmas podem adquirir um peso insuportável que, no entanto, se torna manso e brando quando esmagado pelo peso do barulho!

Funes, o memorioso disse...

Silêncio? O que é isso? Ninguém da nossa geração sabe o que é o silêncio. A não ser, porventura, aqueles que tiveram a felicidade de conhecer um deserto.

Blimunda disse...

Deserto? O que é isso? Ou o Mestre está muito pró-inigmático hoje ou estou eu a precisar de mais férias. Então e que geração, além da nossa, poderá ter tido o privilégio de conhecer esse tal silêncio ainda que sem a felicidade de conhecer esse tal deserto? E nesse deserto existe silêncio?