segunda-feira, 4 de maio de 2009

HOJE QUE NÃO É DIA DA MÃE

Não farei qualquer homenagem à minha mãe. Não lhe vou oferecer rosas, nem beijos, nem coisa alguma porque para além de não ser o dia da mãe, nunca ofereço rosas, nem beijos, nem coisa alguma à minha mãe, simplesmente porque alguém um dia se lembrou de inventar que em determinado dia eu deveria oferecer rosas e beijos e alguma coisa à minha mãe. Hoje que não é dia da mãe, é um dia da minha mãe e, por isso, vou levá-la a passear e vou comprar-lhe algodão doce e talvez um gelado. Hoje que não é dia da mãe mas é um dia para a minha mãe, vou dizer-lhe o quanto preciso dela e o quanto lhe devo. Hoje que não é dia da mãe, vou dizer à minha mãe que todos os meus dias são dela e os dela são meus e que nem eu nem ela precisamos que alguém nos diga quando é que são nossos os nossos dias.

5 comentários:

Mofina Mendes disse...

Tá mal, pá... Se eu fosse tua mãe, punha-te de castigo!

Funes, o memorioso disse...

Minha filha,
Que linda! O gelado que me vais pagar pode ser tarte de whisky?
Adoro-te!

Um beijo
Da tua mãe.

Blimunda disse...

Pois Mofina, mas como não és, (a do comentário de baixo é que é) não tens direito a gelado de tarte de whisky nem a um beijo repenicado. Bem feita!

Carla disse...

É, os beijinhos e o passeio podem mesmo ser em qualquer dia e é bom que seja em muitos dias.
Mas para as prendinhas, o comércio precisa absolutamente de dias para tudo: mãe, pai, avós, namorados, e agora até já estão a querer meter o dia das madrinhas e o que mais a imaginação lhes permitir...
São dias de vender, nem que sejam coisas para deitar fora ou arrumar num canto!

Blimunda disse...

Ora nem mais, Carla!
Que não se confunda marketing com sentimentos!