terça-feira, 16 de dezembro de 2008

ATÉ JÁ

Quando o trabalho aperta e o sentido de inexorabilidade desperta apercebemo-nos que apesar do tempo ser o que dele fazemos e que, por mais que disso tenhamos vontade, não volta atrás. A verdade é que há urgências que não podem, não devem, ser deixadas ao abandono e à mercê do toque implacável do tiquetaque. Vou estando à espreita, esgueirando os olhares que a odiosa responsabilidade, essa enfadonha fada dos seres imputáveis, me permitir.

4 comentários:

Alegria disse...

Deves prestar serviços nas urgencias do Hospital de Águeda!

mac disse...

Ou ter família.

DD disse...

As responsabilidades são uma grande chatice.
Fazem-nos perder um ror de tempo que poderia (deveria?) ser gasto em actividades bem mais agradáveis.
Sei lá, ficar de papo para o ar, por exemplo. Ou ir ao cinema com um balde de pipocas e sair enjoado e arrependido de ter comprado o tamanho grande. Tanta coisa...

privada disse...

Blimunda estás é pirar-te à revolução , então o que é mais importante que o futuro deste país, larga tudo as colheres, o charope, os processos e a papelada. Anda depressa que vamos instituir uma nova governação, já temos slogan e tudo, e agora por estes tempo não vale msm a pena fazer que nada que não seja isto. Blimunda onde quer que estejas, nós tamos aki