terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

A BEIRA DO DESEMPREGO

“De Norte a Sul, milhares perdem o emprego. Como resistir? O que fazer para contornar a crise? Centenas de desempregados marcam presença no maior programa da televisão portuguesa. Frente-a-frente: o Ministro do Trabalho, Sindicatos e o maior partido da oposição.” – Este foi o mote de abertura do programa “Prós e Contras” de ontem.
Do público, entre outros que não tive oportunidade de ouvir, verborreou um intitulado empresário, de uma indigente quase inimputável postura que conseguiu granjear a minha solidariedade para com os participantes convidados da bancada principal, a saber, Vieira da Silva, Ministro da Segurança Social, António Borges do PSD, Carvalho da Silva da CGTP, João Proença da UGT, António Saraiva da CIP e Alberto Figueiredo, outro empresário. Senti que, assim como eu, também eles sentiram vergonha. E porquê? Perguntam vocês. Porque tenho vergonha que pessoas que têm obrigação de dignificar levando a sério um problema gravíssimo, se apetrechem com representações teatrais, absolutamente ridículas e que com isso consigam confundir e atormentar ainda mais as vitimas dos desmandos de quem nos governa. O pobre homem, dono de uma chafarica do ramo dos têxteis com 10 empregadas clamava há mais de já-não-me-lembro quantos anos, mais 10 que não conseguia de forma alguma. Esqueceu-se, entretanto, de referir que provavelmente explora as trabalhadoras não permitindo sequer que vão à casa de banho e que as persegue para que produzam como escravas. Esqueceu-se, provavelmente, de referir que não as deixa parar para que possam alimentar-se a meio da manhã, que não se suporta o frio no inverno nem o calor no verão debaixo das telhas de zinco da chafarica. Enfim, uma série de justas causas para que as pessoas se recusem a trabalhar para ele. Atestou ainda que somos um país de ricos e que não há qualquer crise porque ninguém quer trabalhar sendo a culpa do governo que dá tanto de subsídio como ele de salário, salário esse a que é obrigado por lei, nem mais nem menos 1 centavo. E continuou gesticulando e arremessando acusações a torto e a direito, desde às instituições de Guimarães, até aos senhores da bancada principal. Atestou ainda que não paga nem pagará um centavo que seja à segurança social nem ao Estado, que primeiro pagará aos trabalhadores. Esqueceu-se novamente de referir que aos trabalhadores não se esquece ele de descontar os devidos impostos que, por sua vez deveria entregar ao Estado e não entrega. E o desenrolar de puras alarvices foram tantas que continuar a desfiar rosário seria tarefa ingrata para quem escreve e para quem lê.
Não me espanta nem me surpreende que pessoas assim empreguem subjugando outras pessoas àquilo que se possa entender como emprego. O que me espanta e me causa ainda alguma indignação é que instituições como a RTP na pessoa da Dr.ª Fátima Campos Ferreira se aproveitem destas infelizes realidades para dar ênfase, popularidade e audiências a um programa televisivo.

12 comentários:

Mofina Mendes disse...

Mas quem te manda ver programas desses? Tinhas a vida de Salazar como alternativa cultural...

Mofina Mendes disse...

E não refiles, senão despeço-te!

jg disse...

Isso passa. É da idade.
Dantes tb me espantava e indignava.

Mofina Mendes disse...

Queres ir fumar um cigarrito lá fora? Népias..

Blimunda disse...

É que saí directa de Vila Viçosa, do descampado em que D.Carlos caçava amais um punhado de burgueses e fui cair directinha num programa que nada ficou a dever a um qualquer reality show da Pinheiro ou do Goucha. PQP!!! O que me arrependi de deixar de lado o Equador. Também não morro de amores pelo seu autor. Estou agora a testá-lo como escritor.

Isso, faz isso Mofina. Já pediste empréstimo para me pagares os 17 milhões?

JG, um elogio fora de horas?

Nã, nã preciso...

Luís Maia disse...

è preciso mostrar-se, a quem está entregue grande parte da "industria" portuguesa.

Uma corja imbecilóide de ganaciosos

jg disse...

O que está a dar é o emprego da beira...de estrada.

saphou disse...

Blimunda, é a FoxLife a sua salvação!

Blimunda disse...

Luis, de ganaciosos e completamente desprovidos de inteligência, o que é altamente traumatico para quem tem que se haver com eles.

JG, não o esteve sempre?

Saphou, eu só faço parte do team "Nós os ricos" para efeitos de IRS.

joker disse...

Será que são só os empresários os culpados, os ganânciosos?O senhor em questão não disse só baboseiras, também disse algumas verdades, quando o dito senhor disse que muita gente prefere não ir trabalhar e receber o subsidio de desemprego e fazer uns biscatos por fora, será que estava a dizer disparates?Quando muitos desempregados recusam trabalho, para simplesmente gozarem o dinheiro do estado, também será um disparate?

Blimunda disse...

Não, Joker, não é disparate algum referir e referenciar essas questões. O disparate está na forma como foi feito. Essa realidade só vem atestar de forma incontornável a ineficiência das instituições que temos e sim, a ganância de muitos empresários que oferecem biscates a fazer na ilegalidade. Mas não é caindo no ridículo, que foi o que fomentou a promotora do programa, que se leva a sério uma discussão desse calibre. E foi essa a causa do meu "algum" espanto e da minha "alguma" indignação.

claras manhãs disse...

O que sei, e sei mesmo por dentro, é que a maior parte dos empresários portugueses são muito maus.
Maus como empresários, porque nem sabem enriquecer.
Julgam que enriquecer é pagar mal e meter o dinheiro ao bolso, esquecendo, completamente, a investigação e o reenvestimento.
É por isso que somos tão atrasados.
Um dó!